Programa de Pós Graduação em Educação

Disciplinas e Atividades Obrigatórias - Mestrado

Ementa: Educação e relações sociais. O desenvolvimento do capitalismo e da escola no Brasil. A relação entre as políticas educacionais, os paradigmas produtivos e os modelos de desenvolvimento econômico e político nos anos de 1930 e 1960. Reformas educacionais, neoliberalismo e as agências multilaterais. Crise do fordismo, metamorfoses do mundo do trabalho face à globalização. Reforma do Estado, políticas públicas em educação na década de 1990.

 

Bibliografia Básica:

DOURADO, Luiz Fernandes. Estado, educação e democracia no Brasil: retrocessos e resistências. Educação & Sociedade, Campinas, v. 40, e02244639, 2019.

FRIGOTTO, G. Política e gestão educacional na contemporaneidade. In: FERREIRA, Eliza Batolozzi; OLIVEIRA, D. A. (Org.). Crise da escola e políticas educativas. Belo Horizonte: Autêntica, 2009. p. 65-80.

IANI, O. Pensamento social no Brasil. Bauru: EDUSC, 2004.

KRAWCZYK, N. R.; VIEIRA, Vera Lucia. A reforma educacional na América Latina nos anos de 1990: uma perspectiva histórico-sociológica. São Paulo: Xamã, 2008.

SANFELICE, J. L. A problemática do público e do privado na história da educação no Brasil. In: LOMBARDI, J. C.; JACOMEL, M. R. M.; SILVA, T. M. T. da (Org.). O público o privado na história da educação brasileira: concepções e práticas educativas. Campinas: Autores Associados, 2005. p. 177-185.

SAVIANI, Dermeval. A nova lei da educação: LDB, trajetória, limites e perspectivas. 3. ed. Campinas: Autores Associados, 1997.

SAVIANI, D. História das ideias pedagógicas no Brasil. 2. ed. rev. ampl. Campinas: Autores Associados, 2008.

SAVIANI, Dermeval. O legado educacional do regime militar. Cadernos Cedes, Campinas, v. 28,n. 76, n. 291-312, set./dez. 2008.

SCHWARCZ, Lilia Moritz. A abertura para o mundo: 1889-1930. Rio de Janeiro: Objetiva, 2012. (História do Brasil Nação: 1808-2010, v.3).

SGUISSARDI, Valdemar; SILVA JUNIOR, João dos Reis. Educação brasileira no século XXI: entre a cultura do medo e
a busca da liberdade. Impulso, Piracicaba. v. 16, n. 40, p. 11-18, maio/ago. 2005.

SHIROMA, E. O.; MORAES, M. C. M. de M.; EVANGELISTA, O. Política educacional. Rio de Janeiro: DP&A, 2000.

SILVA JUNIOR, J. R. da. Reforma do Estado e da educação no Brasil de FHC. São Paulo: Xamã, 2002.

SILVA Jr. João dos Reis. Mudanças estruturais no capitalismo e a política educacional do governo FHC: o caso do ensino
médio. Educação & Sociedade, Campinas. v. 23. n. esp. p. 203-234, 2002. 

 

Bibliografia Complementar:

ALVES, M. H. Estado e oposição no Brasil (1964 a 1984). 3. ed. Petrópolis: Vozes, 1985.

ANTUNES, R. Os sentidos do trabalho: ensaio sobre afirmação e negação do trabalho. São Paulo: Bontempo, 2006.

ARAPICARA, José Oliveira. A USAID e a educação brasileira. São Paulo: Cortez, 1982.

ARELARO, Lisete Regina Gomes. Educação básica no século XXI: tendências e perspectivas. Impulso, Piracicaba. v. 16,n. 40, p. 35-53, maio/ago. 2005.

ARELARO, Lisete Regina Gomes. Resistência e submissão: a reforma educacional na década de 1990. In: KRAWCZYK, Nora; CAMPOS, Maria Malta; HADDAD, Sérgio (Org.). O cenário educacional latino-americano no limiar do século XXI: reformas em debate. Campinas: Autores Associados, 2000. p. 95-116.

AVELAR, Lúcia. Clientelismo de Estado e política educacional brasileira. Educação & Sociedade, Campinas, n. 54, jan. 1996.

AZEVEDO, J. M. L. O Estado, a política educacional e a regulação do setor educação no Brasil: uma abordagem história. In: FERREIRA, N. S. C.; AGUIAR, M. A. S. (Org.). Gestão da educação: impasses e compromissos. São Paulo: Cortez, 2000. p. 17-42.

BIANCHETTI, Roberto G. Modelo neoliberal e políticas educacionais. São Paulo: Cortez, 1997. (Questões da nossa época, 56).

CARVALHO, José Murilo de. (Coord.). A construção nacional: 1830-1889. Rio de Janeiro: Objetiva, 2012. (História do Brasil Nação: 1808-2010, v. 2).

CUNHA, Luiz Antonio. A universidade crítica: o ensino superior na república populista. 2. ed. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1989.

______. A universidade reformanda: o golpe de 1964 e a modernização do ensino superior. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1988.

______. A universidade temporã. 2. ed. rev. ampl. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1986.

______. Educação, estado e democracia no Brasil. 2. ed. São Paulo: Cortez, Niteroi: EDUFF; Brasília: FLACSO do Brasil, 1995.

DRAIBE, S. M. As políticas sociais e o neoliberalismo: reflexões suscitadas pelas experiências latino-americanas. Revista USP, São Paulo. n. 17, 86-101, mar./maio 1993.

FÁVERO, Osmar. A educação nas constituintes brasileiras. 2. ed. rev. ampl. Campinas: Autores Associados, 2001.

FAORO, Raymundo. Os donos do poder: formação do patronato político brasileiro. 7. ed. São Paulo: Globo, 1987, 2.v.

FERNANDES, Florestan. Educação e sociedade no Brasil. São Paulo: Dominus, 1996.

FREITAG, Bárbara. Educação, Estado & Sociedade. 7.ed. São Paulo: Centauro, 2005.

GERMANO, J. W. Estado militar e educação no Brasil (1964-1985). 2. ed. São Paulo: Cortez, 1994.

GHIRARDELLI, Paulo. História da educação. São Paulo: Cortez, 1991.

GOMES, Angela de Castro. Olhando para dentro: 1930-1964. Rio de Janeiro: Objetiva, 2013. (História do Brasil Nação: 1808-2010, v. 4).

HOLANDA, Sérgio Buarque de. Raízes do Brasil. Rio de Janeiro: José Olímpio, 1971.

HORTA, J. S. Liberalismo, tecnocracia e planejamento educacional no Brasil: uma contribuição à história da educação brasileira no período de 1930-1970. São Paulo: Cortez, 1982.

LOMBARDI, José Claudinei; JACOMELI, Mara Regina M.; SILVA, Tânia Mara T. da (Org.). O público e o privado na
história da educação brasileira: concepções e práticas educativas. Campinas: Autores Associados, 2005.MAGALHÃES,
João Paulo de Almeida et al.. Os anos Lula: contribuições para um balanço crítico. Rio de Janeiro: Garamond, 2010.

MANACORDA, M. A. História da educação: da antiguidade aos nossos dias. São Paulo: Cortez, 1989.

MORAES, Maria Célia Marcondes de. Iluminismo às avessas: produção do conhecimento e política de formação docente. Rio de Janeiro: DP&A, 2003.

NAGLE, J. Educação e sociedade na primeira república. São Paulo: EDUSP, 2009.

PAIVA, Vanilda. Um século de educação republicana. Proposições, Campinas. v. 1, n. 2, p. 7-18, jul. 1990.

PEIXOTO, Anamaria Casasanta. Educação no Brasil: anos 20. São Paulo: Loyola, 1983.

POCHMANN, Marcio. A década dos mitos: o novo modelo econômico e a crise do trabalho no Brasil. São Paulo: Contexto, 2001.

REIS, Daniel Aarão. Modernização, ditadura e democracia: 1964-2010. Rio de Janeiro: Objetiva, 2014. (História do Brasil Nação: 1808-2010, v. 5).

RIBEIRO, M. L. S. História da educação brasileira: organização escolar. 12. ed. São Paulo: Cortez: Autores Associados, 1992.

SADER, Emir; GENTILI, Pablo (Org.). Pós-neoliberalismo II: que Estado, para que democracia? 5. ed. Petrópolis: Vozes,
2009.

SADER, Emir; GENTILI, Pablo (Org.). Pós-neoliberalismo: políticas sociais e o Estado democrático. 7. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2007.SILVA, Alberto da Costa e. (Coord.). Crise colonial e independência: 1808-1830. Rio de Janeiro: Objetiva, 2011. (História do Brasil Nação: 1808-2010, v. 1).

TOMMASI, Livia de; WARDE, Mirian Jorge; HADDAD, Sérgio (Org.). O Banco Mundial e as políticas educacionais. 2. ed. São Paulo: Cortez, 1998.

TORRES, Carlos Alberto. Estado, privatização e política educacional. In: GENTILI, Pablo (Org.). Pedagogia da exclusão: crítica ao neoliberalismo em educação. 6. ed. Petrópolis: Vozes, 1995.

TRINDADE, H. A república em tempos de reforma universitária: o desafio do governo Lula. Educação & Sociedade, Campinas. v. 25. n. esp. p. 819-844, 2004.

VALLE, Ione Ribeiro; RUSCHEL, Elizete. A meritocracia na política educacional brasileira (1930-2000). Revista Portuguesa de Educação, Braga. v. 22, n. 1, p. 179-206, 2009.

WARDE, José Garcia Werebe. 30 anos depois: grandezas e misérias do ensino no Brasil. São Paulo: Ática, 1994. 

Ementa: Ciência e teorias de conhecimento. "Doxa" e "episteme". Fundamentos filosóficos das pesquisas em educação. A problemática das ciências humanas no contexto da ciência moderna. Tendências e debates atuais sobre a problemática científica e a pesquisa.

 

Bibliografia Básica:

AGAMBEN, G. O que é o contemporâneo? E outros ensaios. Chapecó: Argos, 2009.

ASSMANN, H. Metáforas novas para reencantar a educação: epistemologia e didática. Piracicaba: Editora Unimep, 1996.

CHALMERS, A. F. O que é ciência, afinal? 2. reimp. São Paulo: Brasiliense, 1999.

DEMO, P. Complexidade e aprendizagem: a dinâmica não linear do conhecimento. São Paulo: Editora Atlas, 2002.

GADAMER, Hans-George. Verdade e Método. Petrópolis: Vozes, 1999.

GATTI, B. A pesquisa em educação na contemporaneidade. Cadernos de estudos sociais, Recife: v. 22, n. 2, p. 131-142, jul./dez., 2006.

GOERGEN, Pedro. Pós-modernidade, ética e educação. Campinas: Autores Associados, 2001.

HERMANN. Nadja. Autocriação e horizonte comum: ensaios sobre educação ético-estética. Ijuí: Editora Unijuí, 2010.

KUHN, Thomas. A estrutura das revoluções científicas. São Paulo: Perspectiva, 1978.

MATURANA, Humberto. Cognição, ciência e vida cotidiana. Belo Horizonte: UFMG, 2001.

MATURANA, Humberto; VARELA, Francisco. De máquinas e seres vivos: autopoiese – a organização do vivo. 3º ed. Porto Alegre, RS.: Artes Médicas. 1997.

MATURANA, Humberto; VARELA, Francisco. A árvore do conhecimento: as bases biológicas da compreensão humana. 8. ed. São Paulo: Palas Athena, 2010.

MORAES, Maria Cândida. Ecologia dos Saberes: Complexidade, transdisciplinaridade e educação. São Paulo: Antakarana/PróLibera, 2008.

MOSER, P. K. et al. A teoria do conhecimento: uma introdução temática. SP: Martins Fontes, 2004.

SANTOS, Boaventura de S. Conhecimento prudente para uma vida decente: um discurso sobre as ciências revisitado. São  Paulo: Cortez, 2004. p. 471-494.

SPONVILLE-COMTE, A.; FERRY, L. Sabedoria dos modernos. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

 

Bibliografia Complementar:

ANDRE, Afonso de e DALMAZO, Marli Eliza. Pesquisa em educação: desafios contemporâneos. pesquisa em educação ambiental: abordagens epistemológicas e metodológicas, Ribeirão Preto: v. 1, n. 1, p. 43-57, jul./dez., 2006.

ATLAN, Henri. O livro do conhecimento: as centelhas do acaso e a vida. Lisboa, Portugal: Instituto Piaget, 2000.

BARTOLOMÉ RUIZ, Castor Mari Martín. Ética E Poder. A Sujeição Política, Novo Dilema Ético. In: Veritas, V. 52 n. 2. 2008, p. 35/50.

CHALMERS, A. F. O que é ciência afinal? São Paulo: Brasiliense, 1993.

DEMO, Pedro. Complexidade e aprendizagem: a dinâmica não linear do conhecimento. São Paulo: Editora Atlas, 2002.

DESCARTES, Rene. O discurso do método. São Paulo: Hemus, 1990.

FERRY, L. Depois da desconstrução...Sobre a diferença entre a ciência moderna e a técnica contemporânea. In: FERRY, L. Aprender a viver. Filosofia para os novos tempos. Rio de Janeiro: Objetiva, 2007.

FLICKINGER, Hans e NEUSER, Wolfgang. Teoria de auto-organização: as raízes da interpretação construtivista do conhecimento. Porto Alegre: Edipucs, 1994.

FLORIANI, Dimas. Ciências em trânsito, objetos complexos: práticas e discursos socioambientais. Ambient. soc., Campinas, v. 9, n. 1, 2006. Disponível em: . Acesso em: 18 Jan 2007.

FOUCAULT, M. O cuidado com a verdade. In: FOUCAULT, M. Ditos e escritos. V. Rio de Janeiro: Forense  Universitária, 2003. p.240-251.

GATTI, Bernadete. A pesquisa em educação na contemporaneidade. Cadernos de estudos sociais, Recife: v. 22, n. 2, p. 131-142, jul./dez., 2006.

GOERGEN, Pedro. Questões im-pertinentes para a Filosofia da Educação. In: Educação e Pesquisa v.32 n.3 São Paulo  set./dez. 2006.

HERMANN, Nadja. Pensar arriscado: a relação entre filosofia e educação. Educação e Pesquisa. São Paulo, v. 41, n. 1, p. 217-228, jan./mar. 2015.

MATURANA, H.; VARELA, F. A árvore do conhecimento. Campinas: Psi, 1995.

MORIN, Edgar. O método 3. O conhecimento do conhecimento. 2 ed. Portugal: Publicações Europa-América, 1989.

MORIN, Edgar. O problema epistemológico da complexidade. 2 ed. Portugal: Publicações Europa-América, 1996.

MORIN, Edgar. Ciência com consciência. Rio de Janeiro: Bertrand do Brasil, 1998.

MORIN, Edgar. A cabeça bem-feita: repensar a reforma, reformar o pensamento. 7. ed. Trad. Eloá Jacobina. Rio de  Janeiro: Bertrand Brasil, 2002.

MORIN, Edgar. Os sete saberes necessários à educação do futuro. 11. ed. São Paulo: Cortez; Brasília, DF: UNESCO, 2006.

PEREIRA, Walmir da Silva. Notas a Respeito de epistemologia e mudança de paradigma na teoria da ação comunicativa de Jürgen Habermas. In: UNIrevista - Vol1, n 2 (abril 2006). Porto Alegre: Unisinos.

POPPER, K. R. e ECCLES, J. C. A vida é aprendizagem: epistemologia evolutiva e sociedade aberta. Portugal/Lisboa: Edições 70, 2001.

PRIGOGINE, Ilya e STENGERS, Isabelle. A nova aliança. Brasília: Editora UNB, 1997.

SANTOS, Akiko. Complexidade e transdisciplinaridade em educação: cinco princípios para resgatar o elo perdido. In:
Revista Brasileira de Educação v. 13 n. 37 jan./abr. 2008.

SANTOS, B. de S. Um discurso sobre as ciências. São Paulo: Cortez, 2003.

SOUSA SANTOS, B. (Org.) Conhecimento Prudente para uma Vida Decente. S.P: Cortez Editora, 2004.

SOUSA SANTOS, B. Epistemologias do Sul. São Paulo: Cortez, 2010.

STRIEDER, Roque. Educar para a iniciativa e a solidariedade. 2ª Ed. Ijuí-RS: UNIJUÌ., 2004.

STRIEDER, Roque; LAGO, Clenio; EIDT, Paulino. Complexidade e experiências formativas. In: Perspectiva, Florianópolis/SC.: UFSC, v. 35, n. 4, p. 1240-1259, out./dez.: 2017.

TUCHERMAN, Ieda. Relações perigosas: autoajuda, mídia e biopoder. Revista FAMECOS Porto Alegre, v. 19, n. 2, p. 315-335, maio/ago. 2012.

VASCONCELLOS, Maria José Esteves de. Pensamento Sistêmico: uma epistemologia científica para uma ciência novo-paradigmática. Ribeirão Preto, SP. I Congresso Brasileiro de Sistemas: “Despertando a consciência para a visão sistêmica: perspectivas para o século XXI”, 2005. Disponível em http://www.facef.br/quartocbs/arquivos/14.pdf.

VEIGA-NETO, Alfredo. É preciso ir aos porões. Revista Brasileira de Educação. vol.17 no.50 Rio de Janeiro May/Aug. 2012.

WATZLAWICK, P.; KRIEG, P. O olhar do observador: contribuições para uma teoria do conhecimento construtivista. Campinas: Editorial Psy II, 1995.

Ementa: A educação como objeto teórico, e identidade do campo educacional. Discussão das abordagens epistemológicas da educação. A produção do conhecimento educacional. Reflexões sobre o método.

 

Bibliografia Básica:

ADORNO, Theodor W. Educação e emancipação. 3. ed. Rio de Janeiro: Paz e terra, 2003.

ADORNO, Theodor W. Para a metacrítica da teoria do conhecimento. São Paulo: Unesp, 2015.

ARENDT, Hannah. A condição humana. Tradução de Roberto Raposo. 12.ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2016.

ARENDT, Hannah. A vida do espírito: o pensar, o querer, o julgar. Tradução de Cesar Augusto R. de Almeida, Antônio Abranches e Helena Franco Martins. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2008.

CURY, C. J. Educação e contradição: elementos metodológicos para uma teoria crítica do fenômeno educativo. São Paulo: Cortez, 1985.

DURKHEIM, E. Educação e sociologia. Lisboa: Edições 70, s.d.

GADAMER, Hans-Georg. A razão na época da ciência. Tradução de Ângela Dias. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1983. (Biblioteca Tempo Universitário: 72).

GADAMER, Hans-Georg. La educación es educarse. Tradução de Francesc Pereña Blasi. Barcelona: Paidós, 2000.

GADAMER, Hans-Georg. Elogio da teoria. Tradução de João Tiago Proença. Lisboa: Edições 70, 2001.

GADAMER, Hans-Georg. O problema da consciência histórica. Traução de Paulo César Duque Estrada. 3.ed. Rio de Janeiro: FGV, 2006.

GATTI, B. A. A construção da pesquisa em educação no Brasil. Brasília: Plano Editora, 2002.

HABERMAS, Jürgen. A lógica das ciências sociais. Tradução de Marco Antônio Casanova. Petrópolis: Vozes, 2009. Coleção Textos Filosóficos.

HABERMAS, Jürgen. Diagnósticos do tempo: seis ensaios. Tradução de Flávio Beno Siebeneicheler. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 2005.

HABERMAS, Jürgen. Teoria e práxis: estudos de filosofia social. Traudção de Rúbio Melo. São Paulo: Unesp, 2013.

HEIDEGGER, Martin. Qué significa pensar? Traducción de Raúl Gabás. Madrid: Editorial Trotta, 2010.

HEIDEGGER, Martin. Sobre a questão do pensamento. Tradução de Ernildo Stein. Petrópolis: Vozes, 2009.

HORKHEIMER, Max. Teoria Crítica I - uma documentação. Tradução de Hilde Cohn. São Paulo: Perspectiva, 2011.

KANT, Immanuel. O que significa orientar-se no pensamento. In: _____. Textos seletos. Tradução de Floriano de Sousa Fernandes. 5. ed. Petrópolis: Vozes, 2009. p. 46-62.

NOGUEIRA, C. M. M.; NOGUEIRA, M. A. Bourdieu e a educação. Belo Horizonte: Autêntica, 2004.

SAVIANI, D. A pedagogia no Brasil: história e teoria. Campinas, São Paulo: Autores Associados, 2008.

 
Bibliografia Complementar:

ADORNO, Theodor W. Observações sobre o pensamento filosófico. Palavras e sinais: modelos críticos 2. Trad. Maria Helena Ruschel. Petrópolis: Vozes, 1995. p. 15-25.

BOURDIEU, P.; PASSERON, J.C. A reprodução: elementos para uma teoria do sistema de ensino. Rio de Janeiro: F. Alves, 1975.

DALBOSCO, Claudio. Pesquisa educacional e experiência humana na perspectiva hermenêutica. Cadernos de Pesquisa, v.44 n.154 p.1028-1051 out./dez. 2014.

FREIRE, P. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. 28 ed. São Paulo, Paz e Terra, 2003.

FLICKINGER, Hans-Georg. A caminho de uma pedagogia hermenêutica. Campinas: Autores Associados, 2011 (Coleção Educação contemporânea).

GRAMSCI, A. Os intelectuais e a organização da cultura. 3 ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1979.

GRAMSCI, A. Concepção dialética da história. 3 ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1978.

HOYOS, Luis Eduardo. Tres consecuencias de nuestra racionalidad. Ideas y valores, Bogotá, n.117, dez. 2001.

KOSIK, K. Dialética do concreto. 6 ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1995.

MEKSENAS, P. Pesquisa social e ação pedagógica - conceitos, métodos e práticas. São Paulo: Loyola, 2002.

SAVIANI, D. Pedagogia histórico-crítica: Primeiras aproximações 6 ed. Campinas: Autores Associados, 1997.

VÁZQUEZ, A. S. Filosofia da práxis. 2 ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1977.

Ementa: Atividade de sistematização do projeto de dissertação e do seu desenvolvimento, realizada sob a orientação do professor orientador.

Bibliografias: 

As bibliografias básica e complementar serão definidas pelos professores pesquisadores, considerando seus temas e objetos de pesquisa.

Ementa: Participação em atividade investigativa no âmbito da Linha de Pesquisa em que se insere o mestrando. Inserção e atuação em projeto de pesquisa coordenado por professor pesquisador do Programa.

Bibliografias

As bibliografias básica e complementar serão definidas pelos professores pesquisadores, considerando seus temas e objetos de pesquisa.

Ementa: Problemas básicos da pesquisa educacional. Mapeamento da produção recente na área de políticas educacionais. Formulação e delimitação do problema de pesquisa. Diferentes tipos/abordagens/enfoques da pesquisa. Procedimentos metodológicos. Planejamento da investigação: o delineamento da pesquisa, levantamento, análise e apresentação de dados. Apresentação e discussão dos projetos de dissertação dos mestrandos. Reelaboração do projeto de pesquisa.

 

Bibliografia Básica:

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa, Portugal: Edições 70, 2009.

BAUER, Martin W.; GASKEL, George. Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. 7. ed. Petrópolis: Vozes, 2008.

FAIRCLOUGH, N. Discurso e mudança social. Brasília: Ed. UnB, 2001.

MOSCOVICI, S. Representações sociais: investigações em psicologia social. Petrópolis: Vozes, 2003.

OZGA, J. Investigação sobre políticas educacionais: terreno de contestação. Porto: Porto Editora, 2001.

SÁ-SILVA, J. R.; ALMEIDA, C. D.; GUINDANI, J. F. Pesquisa documental: pistas teóricas e metodológicas. Revista Brasileira de História & Ciências Sociais. Ano I, n.1, jul./2009.

SOUZA, C. Políticas públicas: uma revisão de literatura. Sociologia, Porto Alegre, ano 8, n.16, p. 20-45, jul/dez, 2006. 


Bibliografia Complementar:

CONSALTÉR, Evandro; FÁVERO, Altair Alberto. Elementos qualificadores da investigação científica no campo das políticas educacionais. Educação & Formação, Fortaleza, v. 4, n. 10, p. 148-163, jan./abr. 2019.

DENZIN, N.K; LINCOLN, Y.S. A. (Orgs.). O planejamento da pesquisa qualitativa: teorias e abordagens. Trad. Sandra Regina Netz. 2.ed.São Paulo: Artmed, 2006.

DIÓGENES, Nogueira; MARIA, Elíone. Análise das bases epistemológicas do campo teórico da política educacional. Práxis Educativa, vol. 9, n. 2, p. 333-353, jul./dez, 2014.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6 ed. São Paulo: Atlas, 2009.

GUBA, E.G; LINCOLN, Y.S. Effective evaluation: improviving the usefulnesss of avaluation results responsave and naturalistic approches. San Francisco: Jossey-Bass Publishers, 1988.

JOBERT, B; MULLER,P. L'État en action: politiques publiques et corporatismes. Paris: PUF, 1987.

KOSIK, Karel. Dialética do concreto. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1976.

LAVILLE, C.; DIONNE, J. Problema e problemática. In: LAVILLE, C.; DIONNE, J. (Org.). A construção do saber. Porto legre: Artmed, 1999. p. 86-101.

MAINARDES, J. Abordagem do ciclo de políticas: uma contribuição para a análise de políticas educacionais. Educação & Sociedade, Campinas, v. 27, n. 94, p. 47-69, jan./abr.2006.

MAINARDES, Jefferson. Análise de políticas educacionais: breves considerações teórico-metodológicas. Contrapontos, v. 9, n. 1, p. 4-16, Itajaí, jan/abr., 2009.

PIMENTEL, A. O método da análise documental: seu uso numa pesquisa historiográfica. Cadernos de Pesquisa, n.114, p.179-195, nov. 2001.

RICHARDSON, R. J. Pesquisa social: métodos e técnicas. 3 ed. São Paulo: Atlas, 2010.

Ementa: Considerações de ordem epistemológica sobre as relações pesquisador: objeto de investigação. A docência e o cotidiano escolar como objetos de investigação. O procedimento qualitativo e quantitativo nas pesquisas educacionais. A formulação e delimitação do problema de pesquisa, a justificativa, os objetivos e as hipóteses norteadoras. Diferentes abordagens na pesquisa em educação. A elaboração dos instrumentos de pesquisa e dos procedimentos para a análise dos dados. Orientações fundamentais para o texto de qualificação e para o da dissertação.

 

Bibliografia Básica:

ALVES, A. J. A “revisão da bibliografia” em teses e dissertações: meus tipos inesquecíveis. Cadernos de pesquisa. n. 81, p. 53-60, maio 1992.

ANDRÉ, M. E. D. A.; LÜDKE, Menga. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 1986.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1977.

BERNARDES, M. E. M.; JOVANOVIC, M. L. A Produção de relatórios de pesquisa: redação e normalização. São Paulo: Ed. Fontoura, 2005.

BRANDÃO, Z. Pesquisa em educação: conversas com pós-graduandos. Rio de Janeiro: Ed. PUC/RIO, Edições Loyola, 2002.

CUNHA, L. A. Pós Graduação em Educação: No Ponto de Inflexão. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n.77, p. 63-80, maio, 1991.

DESLANDES, S. F. A construção do projeto de pesquisa. In: MINAYO, M. C. S. (org.). Pesquisa social: teoria, método e
criatividade. 21. ed. Petrópolis: Vozes, 1994. p. 31-50.

ECO, H. A redação definitiva. In: ___. Como se faz uma tese em ciências humanas. Tradução de Ana Falcão Bastos e Luís Leitão. 13 ed. Queluz de Baixo: Editorial Presença, 2007. p. 202-231.

ECO, H. A redação. In: ___. Como se faz uma tese em ciências humanas. Tradução de Ana Falcão Bastos e Luís Leitão. 13 ed. Queluz de Baixo: Editorial Presença, 2007. p. 161-201.

GATTI, B. A. A produção da pesquisa em educação no Brasil e suas implicações. In: ___. A construção da pesquisa em
educação no Brasil. 2. ed. Brasília: Líber Livro Editora, 2010. p. 15-41.

GHEDIN, E.; FRANCO, M. A. S. A construção do olhar do pesquisador. In: Questões de método na construção da pesquisa em educação. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2011. p. 69-100.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

GIL, A. C. Problema de pesquisa. In: ___. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2002. p. 21-30.

GOMES, R. A análise de dados em pesquisa qualitativa. In: MINAYO, M. C. S. (org.). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 21. ed. Petrópolis: Vozes, 1994. p. 67-80.

LAVILLE, C.; DIONNE, J. Problema e problemática. In: ___. A construção do saber: manual de metodologia da pesquisa em
ciências humanas. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2008. p. 85-99.

LÜDKE, M.; ANDRÉ, M. E. D. A. A análise de dados e algumas questões relacionadas à objetividade e à validade nas abordagens qualitativas. In: Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 1986. p. 45-53.

MARCONI, M. A.; LAKATOS, E. M. Fundamentos de metodologia científica. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2003.

RICHARDSON, J. R. Processos de pesquisa. In: ___. Pesquisa Social: métodos e técnicas. 3.ed. São Paulo: Atlas 2010. p. 15-19.

SEVERINO, Antônio Joaquim. Metodologia do trabalho científico. 23. ed. São Paulo: Cortez, 2007.

SEVERINO, A. J. A pesquisa na dinâmica da vida universitária. In: Metodologia do trabalho científico. 23 ed. rev. e atualizada. São Paulo: Cortez, 2007. p. 127-132.

SEVERINO, A. J. Modalidade e metodologias de pesquisa científica. In: ___. Metodologia do trabalho científico. 23. ed. São Paulo: Cortez, 2007. p. 117-126.

SILVA, T. T. 27 maneiras de abrir um texto, seguido de 9 maneiras de fechá-lo. Mimeografado. s/ data.

SILVA, T. T. Argumentação, estilo, composição: introdução à escrita acadêmica. Mimeografado. s/ data.

 

Bibliografia Complementar:

FAZENDA, I. (org.). Novos enfoques da pesquisa educacional. São Paulo: Cortez, 1992.

FRANCO, M. L. P. B. Análise de conteúdo. Brasília: Plano, 2003.

______. Por que o conflito entre tendências metodológicas não é falso. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n.66, p. 75-80, agosto 1988.

GATTI, B. A. A construção da pesquisa em educação. Brasília: Plano, 2002.

______. Estudos quantitativos em educação. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 30, n.1, jan.2004.

MAINGUENEAU, D. Novas tendências em análise do discurso. 3 ed. Campinas: Pontes: Editora da Universidade Estadual e Campinas, 1997.

MEKESENAS, P. Pesquisa social e ação pedagógica: conceitos, métodos e práticas. São Paulo: Loyola, 2002.

ZAGO, N.; CARVALHO, M. P.; VILELA, R. A.T. Itinerários de Pesquisa: perspectivas qualitativas em Sociologia da Educação. Rio de Janeiro: DP&A, 2003.

Ementa: Pesquisa na educação: aproximações às produções das áreas específicas na linha de pesquisa. Análise e discussão de pesquisas concluídas na forma de dissertações, artigos ou livros. Reconhecimento inicial de métodos e procedimentos básicos de pesquisa em educação. Utilização de recursos eletrônicos para a pesquisa na educação.

 

Bibliografia Básica:

BALL, S. J.; MAINARDES, J. (Orgs.). Políticas educacionais: questões e dilemas. São Paulo: Cortez, 2011.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. 3. ed. Lisboa: Edições 70, 2004.

DIÓGENES, N.; MARIA, E.. Análise das bases epistemológicas do campo teórico da política educacional. Práxis Educativa, vol. 9, n. 2, p. 333-353, jul./dez, 2014.

DENZIN, N.K; LINCOLN, Y.S. A. (Orgs.). O planejamento da pesquisa qualitativa: teorias e abordagens. Trad. Sandra Regina Netz. 2. ed.São Paulo: Artmed, 2006.

FIGUEIREDO, M. F.; FIGUEIREDO, A. M. C. Avaliação política e avaliação de políticas: um quadro de referência teórica. Análise & Conjuntura, Belo Horizonte, n. 3, p.107-127, set./dez.1986.

MAINARDES, J. Abordagem do ciclo de políticas: uma contribuição para a análise de políticas educacionais. Educação & Sociedade, Campinas, v. 27, n.94, p.47-69, jan./abr.2006.

MINAYO, M. C. de S. (Org.). Pesquisa social: teoria, método e criatividade.  29. ed. Petrópolis, RJ: Editora Vozes, 2010.

OLIVEIRA, Maria Marly de. Metodologia, métodos e técnicas. In: _____. Como fazer pesquisa qualitativa. 3. ed. Petrópolis, RJ: Editora Vozes, 2008c. cap. 2, p. 45-68.

OLIVEIRA, Maria Marly de. Pressupostos básicos da pesquisa qualitativa. In: ____. Como fazer pesquisa qualitativa. 3.
ed. Petrópolis, RJ: Editora Vozes, 2008d. cap. 1, p. 25-44.

OZGA, J. Investigação sobre políticas educacionais: terreno de contestação. Porto Editora: Porto-Portugal, 2000.

SILVA, Antonia Almeida; JACOMINI, Márcia Aparecida. Pesquisa em Políticas Educacionais: escolhas temáticas e fontes em debate (2000-2010). Revista de Estudios Teórico y Epistemológicos en Política Educativa, v. 4, p. 1-17, 2019.

SHIROMA, E. O.; CAMPOS, R. F.; GARCIA, R. M. C. Decifrar textos para compreender a política: subsídios teórico-metodológicos para análise de documentos. Perspectiva: Revista do Centro de Ciências da Educação. Universidade Federal de Santa Catarina. Centro de Ciências da Educação. Florianópolis: Editora da UFUSC: NUP/CED. v. 23, n.2, p.427-446, jul./dez. 2005.

ZANTEN, Agnès Van. Pesquisa qualitativa em educação: pertinência, validez e generalização. Perspectiva, Florianópolis, v.22, n. 01, p. 25-45, jan./jun. 2004.

 

Bibliografia Complementar:

AZEVEDO, Janete Lins de. A educação como política pública. 3.ed. Campinas, SP: Autores Associados, 2004.

BOURDIEU, Pierre. Introdução a uma sociologia reflexiva. 12 ed., Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2009. Cap. II, p. 17-58.

CARLOMAGNO, Márcio C.; ROCHA, Leonardo Caetano. Como criar e classificar categorias para fazer análise de conteúdo: uma questão metodológica. Revista eletrônica de CiênciaPolítica, v. 7, n.1, p.173-188, 2016.

CAVALCANTE, Ricardo Bezerra; CALIXTO, Pedro; PINHEIRO, Marta Macedo Ker. Análise de Conteúdo: considerações gerais, relações com a pergunta de pesquisa, possibilidades e limitações do método. Informação & Sociedade: Estudos, João Pessoa, v.24, n.1, p.13-18, jan./abr. 2014.

CHIZZOTI, Antonio. Pesquisa em ciências humanas e sociais. 10.ed. São Paulo: Complementar Pessoa, v.24, n.1, p.13-18, jan./abr. 2014.

CHIZZOTI, Antonio. Pesquisa em ciências humanas e sociais. 10.ed. São Paulo: Cortez, 2009. GASKELL, G. Pesquisa Qualitativa com Texto, Imagem e Som. Petrópolis: Editora Vozes, 2002.

GAMBOA, Silvio Sanches. Pesquisa em educação: métodos e epistemologia. Chapecó: Argos, 2012.

GASKELL, G. Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som. Petrópolis: Vozes, 2002.

GRAMSCI, A. Alguns pontos preliminares de referência. Concepção dialética da história. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1966.

JODELET, D. Les représentations sociales. Paris. PUF, 1989.

LÈTOURNEAU, Jocelyn. Ferramentas para o pesquisador iniciante. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2011.

MORAES, M. C. M.; MÜLLER, R. G. História e experiência: contribuições de E. P. Thompson à pesquisa em educação. Perspectiva, Florianópolis, NUP/CED/UFSC, v.21, n. 2, jul.dez. 2003.

OLIVEIRA, Maria de. Como fazer pesquisa qualitativa. 3. ed. Petrópolis, RJ: Editora Vozes, 2010.

OLIVEIRA, Dalila Andrade; DUARTE, Adriana (Orgs.). Políticas públicas e educação: regulação e conhecimento. Belo Horizonte, MG: Fino Traço, 2011.

SANTOS FILHO, J. C. dos; GAMBOA, S. S. (Org.). Pesquisa educacional: quantidade-qualidade. 2 ed. São Paulo: Cortez, 1997.

SCHNEIDER, Marilda Pasqual. Pesquisa em política educacional: desafios na consolidação de um campo. Revista Educação. PUC-Campinas, v.19, n.1, p.05-13, jan./abr. 2014.

THOMPSON, P. A voz do passado: a história oral. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992.

Ementa: Pesquisa na educação: aproximações às produções das áreas específicas na linha de pesquisas. Análise e discussão de pesquisas concluídas na forma de dissertações, artigos ou livros. Reconhecimento inicial de métodos e procedimentos básicos de pesquisa em educação. Utilização de recursos eletrônicos para a pesquisa na educação.

 

Bibliografia Básica:

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS - ABNT. NBR 10520. Informação e documentação – Citações em documentos – Apresentação. Rio de Janeiro: ABNT, 2002.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS - ABNT. NBR 6023. Informação e documentação - Referências – Elaboração. Rio de Janeiro: ABNT, 2018.

CHIZZOTTI, A. Pesquisa em ciências humanas e sociais. 6. ed. São Paulo: Cortez, 2003.

CRUZ, Rosana Evangelista da; JACOMINI, Márcia Aparecida. Produção acadêmica sobre financiamento da educação: 2000-2010. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos. Brasília, v. 98, n. 249, p. 347-370, maio/ago. 2017.

GATTI, B. A. A pesquisa em educação na contemporaneidade. Cadernos de Estudos Sociais. Recife, vol. 22, n. 2, p.131-142.jul/dez. 2006.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6 ed. São Paulo: Atlas, 2009.

MARQUES, M. O. Escrever é preciso: o princípio da pesquisa. 4. ed. Ijuí: Ed. Unijuí, 2001.

MINAYO, M. C. de S. (org.). Pesquisa social: teoria, método e criatividade.  29. ed. Petrópolis: Editora Vozes, 2010.

OLIVEIRA, M. Como fazer pesquisa qualitativa. 3. ed. Petrópolis: Vozes, 2010.

OLIVEIRA, Maria Marly de. Metodologia, métodos e técnicas. In: _____. Como fazer pesquisa qualitativa. 3. ed. Petrópolis, RJ: Editora Vozes, 2008c. cap. 2, p. 45-68.

OLIVEIRA, Maria Marly de. Pressupostos básicos da pesquisa qualitativa. In: ____. Como fazer pesquisa qualitativa. 3. ed. Petrópolis, RJ: Editora Vozes, 2008d. cap. 1, p. 25-44.

PIMENTEL, A. O método da análise documental: seu uso numa pesquisa historiográfica. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 114, p. 179-195, nov. 2001.

RICHARDSON, R. J. et al. Pesquisa social: métodos e técnicas. 3 ed. São Paulo: Atlas, 2010.

ZANTEN, A. V. Pesquisa qualitativa em educação: pertinência, validez e generalização. Perspectiva. Florianópolis, v. 22, n. 01, p. 25-45, jan./jun.2004.

 
Bibliografia Complementar:

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS - ABNT. NBR 6022: Informação e documentação - Artigo em publicação periódica técnica e/ou científica – Apresentação. Rio de Janeiro: ABNT, 2018.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS - ABNT. NBR 6028: Informação e documentação - Resumo - Apresentação. Rio de Janeiro: ABNT, 2003.

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM EDUCAÇÃO. Ética e pesquisa em Educação: subsídios. Rio de Janeiro: ANPEd, 2019.

BARDIN, Laurence. Análise de Conteúdo. Edição revista e actualizada. Lisboa: Edições 70, 2009.

CARLOMAGNO, Márcio C.; ROCHA, Leonardo C. Como criar e classificar categorias para fazer análise de conteúdo: uma questão metodológica. Revista Eletrônica de Ciência Política, v. 7, n. 1, 2016.

CHIZZOTI, Antonio. Pesquisa em ciências humanas e sociais. 10.ed. São Paulo: Cortez, 2009.

GATTI, Bernardete, Angelina. A Pesquisa em Educação na Contemporaneidade. Cadernos de Estudos Sociais. Recife, v. 22, n. 2, p. 131-142, jul./dez. 2006.

GATTI, Bernardete, Angelina. A produção da pesquisa em educação no Brasil e suas implicações. In: ___. A construção da pesquisa em educação no Brasil. Brasília: Liber Livro Editora, 2010. cap. 1, p. 15-41.

GATTI, Bernardete, Angelina. Questões de método nas pesquisas em educação. In: ___. A construção da pesquisa em educação no Brasil. Brasília: Liber Livro Editora, 2010. cap. 2, p. 43-66.

GATTI, B. Estudos quantitativos em educação. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 30, n.1, p. 11-30, jan/abr 2004.

GASKELL, G. Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som. Petrópolis: Vozes, 2002.

MINAYO, Maria Cecília de Souza (Org.). Pesquisa Social: teoria, método e criatividade. 11.ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 1994.

POUPART, Jean et al. A pesquisa qualitativa: enfoques epistemológicos e metodológicos. 2. ed. Petrópolis: Vozes, 2010.

SANTOS FILHO, J. C. dos; GAMBOA, S. S. (org.). Pesquisa educacional: quantidade-qualidade. 2. ed. São Paulo: Cortez, 1997.

THOMPSON, P. A voz do passado: a história oral. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992. 

TRIVIÑOS, Augusto N. S. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 1987.

Voltar
Acesse o site da Unoesc pelo seu celular.